www.cesce.pt
 


Hoje em dia existe a noção de que a combinação de backups feitos durante a noite e software de alta disponibilidade proporciona uma total protecção dos dados, embora, na realidade, esta visão padeça de um “ponto cego” que deixa os dados vulneráveis. De forma geral, as estratégias de backup poderão ter permanecido relativamente estáticas para muitas empresas ao longo dos anos, mas as condições de funcionamento das empresas têm vindo a mudar consideravelmente. Recuperar dados a partir de documentos em papel deixou de ser uma opção visto que, para muitas empresas, a maioria das transacções são totalmente electrónicas. Hoje, os sistemas estão abertos ao mundo através da Internet, tornando-os vulneráveis a ataques.

Neste aspecto, os backups em banda magnética padecem de vários inconvenientes. Em primeiro lugar, trata-se ainda de um suporte lento em comparação com o disco: a recuperação de bases de dados massivas e a retoma das operações pode demorar várias horas, ou até mesmo dias. Além do mais, os backups em banda magnética não constituem uma forma prática de prosseguir as operações durante paragens breves para manutenção. Para além disso, este tipo de backups permite recuperar dados a partir de apenas um ponto no tempo, normalmente uma altura durante a noite anterior, pelo que as actualizações feitas a partir dessa altura podem-se perder se o centro de dados for destruído, significando que, se a banda magnética da última noite ainda não tiver sido enviada para fora do local, poderá também ser destruída. O mesmo acontecerá se o backup em banda magnética mais recente for ilegível por alguma razão. Outro inconveniente da recuperação a partir de um único ponto no tempo é que poderá ser preciso restaurar dados a partir de um ponto no tempo diferente. Por exemplo, se um sistema tiver sido atacado por um vírus às 16:03, poderemos querer recuperar os dados para o estado em que se encontravam às 16:02.

Contrariando estas tendências, e ultrapassando as dificuldades, surgem as soluções de alta disponibilidade (HA) que replicam todos os dados e objectos para um servidor secundário em tempo real, ou quase, evitando os problemas dos backups em banda magnética. Ao contrário das soluções baseadas em banda magnética, o backup de todos os dados é feito de imediato. Por consequência, não há dados que foram criados ou actualizados desde o último backup e que ainda não foram gravados em banda magnética. O software de HA replica os dados e objectos em background e sem intervenção do operador, sendo que alguns produtos de HA podem detectar quando o servidor primário não está disponível e iniciar um failover automático para o servidor de backup. Podem também automatizar uma comutação iniciada manualmente para o servidor de backup quando o servidor primário precisar de ser colocado offline para manutenção. Quando é utilizada uma solução de HA não é preciso recuperar nada para que as operações prossigam se ocorrer um desastre no centro de dados primário.

As tarefas de backup podem ser simplificadas ao serem agendadas para fora das horas de expediente, embora o levá-las a cabo num servidor de produção deixe de ser uma opção aceitável a qualquer hora, visto que, hoje em dia, o e-commerce e as redes de distribuição globais requerem uma disponibilidade do sistema de 24 horas por dia. Mais: sendo um suporte físico, a banda magnética é mais propensa ao roubo em trânsito do que os dados que são transmitidos electronicamente e protegidos mediante encriptação. Face a estas situações, e a outras mais recorrentes como, por exemplo, o facto de um ficheiro poder ser apagado acidentalmente, cada vez mais há soluções que integram funcionalidades incorporando técnicas tradicionais de backup, replicação e snapshot.

Ao considerar as opções de backup em banda magnética, HA e CDP (Continuous Data Protection), as empresas não têm de necessariamente que escolher apenas uma, podendo apostar na utilização de uma solução óptima que integre as três, garantido que: a informação está segura; que as recuperações são fiáveis; que ficam resolvidos todos os problemas de corrupção de dados e disponibilidade; que as operações não serão interrompidas por desastres ou actividades de manutenção; e que os dados podem ser restaurados rapidamente a partir de um ponto no tempo antes de terem sido corrompidos.

 

Pedro Vieira
Director de Desenvolvimento de Negócio de Infra-estruturas e Serviços
CESCE SI

dci@cesce.pt